domingo, 13 de setembro de 2009

SUSTENTABILIDADE, UMA QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA


Pneus velhos, triturados e tratados, viram caminhos no jardim.


A nossa amiga, jornalista Gabriela Angeli, do blog "agora eu já falei", escreveu uma matéria para o jornal ESTADO DO RIO DE JANEIRO sobre sustentabilidade.
Aproveitando a deixa, o assunto está cada vez mais em alta por sua importância fundamental para sobrevivência e recuperação do nosso planeta, nada de moda ou tema passageiro, o assunto é sério e pede atenção especial de cada indivíduo. É preciso olhar em volta, notar o grande mal que a humanidade andou causando à mãe natureza ao longo dos anos. Ainda ha tempo de corrigir esses erros, basta cada um de nós pensar no coletivo.
Ah, a gabi entrevistou uma certa pessoa engajada nessa luta por um céu mais limpo, por ar puro, rios limpos e flores por toda parte. Quem? Eu, ne!!!! Valeu, amiga! Estou sempre disponível para esse e outros assuntos, obrigada pela honra.

vale a pena ler... E lembrem: CHIQUE É SER CONSCIENTE.
http://www.oestadorj.com.br/?pg=noticia&id=3487&editoria=Estado



As perguntas de Gabriela Angeli para elaboração da matéria.
ENTREVISTA COMPLETA:

1) O processo de construção/decoração normal de uma casa/apartamento ajuda a poluir o ambiente? Como é possível evitar?

Na realidade a construção de uma casa da forma convencional, se realizada conforme as normas da cidade, não agridem diretamente o ambiente. O problema está no processo de fabricação dos materiais usados como cimento, que agride a natureza em todas as fases de sua fabricação, tijolos convencionais que precisam sofrer queima durante a produção, areia que assoreia os rios. O ideal seria usar tijolos ecológicos que não sofrem queima, areia artificial, já produzida no Brasil, tijolos confeccionados a partir de reciclagem de materiais como borracha de pneus, sem esquecer de substituir as lâmpadas alógenas e incandescentes por leds e fluorescentes que economizam energia.

2) O que pode ser definido como uma construção sustentável?

Quando se fala em construção sustentável é preciso saber que existe uma diferença entre construções ecológicas e ecologicamente corretas. As ecologicas não agridem a natureza desde a escolha do local até o uso dos materiais , como por exemplo no uso dos tijolo de solo cimento, que não utiliza a queima dos tijolos tradicionais. Já as ecologicamente corretas ajudam a recuperar possiveis danos que seriam causados a natureza, como usando os blocos que levam residuos industriais ou pneu moido em sua composição, nesse caso estamos dando destino útil a materiais que seriam jogados no lixo ou queimados.

3) Quais são as principais características de uma casa sustentável?

A casa sustentável precisa ter uma certa autonomia, deve ser construída em local que não precise sofrer desmatamento, ser projetada de forma a aproveitar o Maximo de recursos naturais como ventilação e luz solar, em caso de locais sem saneamento básico é fundamental canalizar o esgoto para uma fossa séptica, é preciso ainda captar a água da chuva para um reservatório, bem como a agua de torneiras, chuveiros e maquina de lavar que devem ser tratadas em uma estação de tratamento ecológica ( a venda no mercado ou construída artesanalmente com varias camadas de areia), A casa sustentável não desperdiça nada. Desde a luz solar , os ventos e a água, até os resíduos biológicos podem virar adubo para o jardim. Telhas e chapas fabricadas a partir de resisduos de alumínio das empresas de embalagens podem ser usadas em cobertas com um bom conforto térmico e as chapas podem ser usadas em fabricação de moveis, objetos de decoração e até servir para revestimento em área molhada. É importante conhecer a origem dos materiais como madeira, certificando-se que são regulamentadas.

4) É possível adaptar uma casa já construída e torná-la uma casa sustentável? De qual forma?

Sim, sem duvida! Com os exemplos na resposta anterior é simples entrar em harmonia com a natureza. Uma reforma pode viabilizar o aproveitamento das águas, melhor ventilação reduzindo o uso de ar condicionado, possibilitar mais entrada de luz solar evitando acender as luzes durante o dia, substituição das lâmpadas com alto consumo, uso de luminárias solares, que captam a luz durante o dia e transformam em energia a noite, na área externa e o instalar placas de aquecimento solar.

5) Qual é o custo de uma construção deste tipo?

Chegamos ao grande problema. O custo de uma casa ecológica é em media 30% mais alto que as tradicionais. Entendemos que o método de produção dos materiais ecológicos e ecologicamente corretos, por sofrerem varios processos em sua fabricação, em muitos casos ainda artesanal, tem um custo final elevado, o que torna um tanto difícil convencer um cliente da importância de seu uso, especialmente na fase de construção onde o investimento é sempre mais alto, porem é preciso reforçar que, embora o investimento inicial se torne maior, a curto prazo será visível a economia nas contas mensais como energia e água. Para ter uma idéia as lâmpadas LED consomem de 1W a 5w e tem a mesma potencia de uma lâmpada incandescente de 50W.

6) Quais materiais podem ser considerados ecologicamente corretos?

Todos os materiais que reaproveitam resíduos industriais, lixo e sucata em sua produção, garantindo que materiais como plásticos, metais e borrachas não sejam despejados na natureza.

7) Você acredita que meio ambiente e construção/decoração podem evoluir em conjunto?

Sim, para isso é preciso conscientizar as pessoas da importância dessa mudança de conceitos a médio e longo prazo. A médio prazo é possível notar uma economia nas despesas e a longo prazo podemos recuperar algumas riquezas naturais e evitar mais dano ainda ao nosso planeta. O primeiro passo seria pensar de onde vem os materiais que se pretende usar e para onde vão os resíduos. Na decoração achamos importante valorizar artesanato, culturas locais, trabalhos realizados por ONGs de apoio a população carente. Dizer não as grifes pode ser demais, mas mesclar o luxo com objetos de origem social faz bem a toda sociedade. Chique é não desperdiçar, é pensar no amanhã sem esquecer as pessoas hoje.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

quarta-feira, 17 de junho de 2009

MORAR MAIS RECIFE 2009

Grandes projetos e parcerias surgem em momentos inesperados.
Eu, Deise, minha sócia Patricia Cintra, nosso sócio Anderson Rios (escritório de São Paulo), com grande satisfação estamos nos unindo ao arquiteto pernambucano Cícero Souza, para a mostra de arquitetura, decoração, design e paisagismo, Morar Mais por Menos Recife 2009.
Nosso espaço é inspirador. Quarto masculino, retorno ao lar.
Quando se faz uma mostra de decoração, é traçado o perfil de um "cliente imaginário", nessa edição nosso "cliente" é um homem de 35 anos, divorciado, que recomeça a vida em um espaço só seu. Esse homem é um publicitário bem sucedido, apaixonado por fotografias, que já viajou os quatro cantos do mundo e registrou em suas fotos grandes momentos. Em seu espaço estamos criando um pequeno loft, um local em que ele tenha total identificação, onde seja possível relaxar, recarregar as energias...
Então em Setembro vocês poderão conferir as novidades e resultados dessa parceria.
já estamos trabalhando a todo vapor!

terça-feira, 16 de junho de 2009

ACADEMIA


PROJETO DE ACADEMIA, ELABORADO EM DEZEMBRO DE 2008, PARA RESIDÊNCIA NA VILA NOVA CONCEIÇÃO-SP.


projeto de:

DEISE LEAL - PE

ANDERSON RIOS - SP

PATRICIA CINTRA - PE

quarta-feira, 10 de junho de 2009

ESTAMOS DE NOVO...


NOVIDADES À VISTA...AGUARDEM...

quarta-feira, 6 de maio de 2009

PROJETO DIFÍCIL

Vou focar melhor, procura deixar nesse blog apenas meu trabalho. As loucuras, pensamentos, devaneios deixo no OUUUTROOO





SEMPRE QUE FAÇO ALGO PARA MINHA MÃO E MINHA TIA É SEMPRE MAIS DIFÍCIL, EMBORA SEJA UM PROJETO SIMPLES, MAS ELAS SÃO MINHAS MAIORES ADMIRADORAS E MELHORES CRÍTICAS... NÃO POSSO DECEPCIONAR.

domingo, 3 de maio de 2009

LEMBRANÇAS


Dia chuvoso deu uma saudadeeeee da turma!
Nessa foto, nossa galerinha direto do site da notabile, diga-se de passagem, isso que é loja, isso que é turma! Saudadeeeee! Imagina so essa patotinha na CASA COR SP! VAI SER DEMAIS!

sexta-feira, 1 de maio de 2009

RECORDAÇÕES DOS ARQUITETOS


É SEMPRE BOM LEMBRAR DESSES QUERIDOS E TALENTOSOS AMIGOS...

ALGUNS MINUTOS DE FAMA


BOM LEMBRAR COISAS BOAS.
ESSA É A FOTO DO ANUÁRIO MORAR MAIS POR MENOS 2008.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

NOSSOS PROJETOS NO ORKUT

http://www.orkut.com.br/Main#Album.aspx?uid=762925475491697805&aid=1

sábado, 18 de abril de 2009

NOVIDADES DE DEISE LEAL & PATRICIA CINTRA




Amigos e clientes;
estamos trazendo, especialmente para vocês, novas peças de decoração e arte, para deixar seu ambiente ainda mais bonito.
Claro que em nossas compras e encomendas lembramos de cada um de vocês em especial e escolhemos com muito carinhos objetos com a cara do seu espaço.
Muito em breve postaremos fotos das novidades e entraremos em contato para mostrar que pensamos em vocês mesmo após o termino de nosso projeto e acompanhamento.
É muito bom tê-los como amigos e clientes, além de lebrarmos sempre com muito carinho dos nossos colegas,arquitetos e decoradores, trazendo novidades para encanto dos seus clientes também.
Um grande abraço a todos e aguardem as novidades
Deise Leal e Patricia CIntra
www.objetosearte.blogspot.com
e-mail: projete@hotmail.com

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Chão de estrelas


ESSA POSTAGEM É EM HOMENAGEM A UMA CLIENTE NOSSA QUE ESTÁ SUPER ANCIOSA PRA VER A ILUMINAÇÃO DE SUA CASA PRONTA. Então aqui está uma mostra do show.
Iluminação com fibra otica da FASA.
Lindo heim?

Casa ecológica e moderna


Gente em minhas pesquisas encontrei essa casa.
Olha que legal! Construíca com tijolos ecologicos ( os da postagem anterior) Madeira de demolição, tem aquecimento solar, aproveitamento de água da chuva canalizada para um reservatorio que abastece os vasos sanitários, bastante aberturas para entrada de luz solar e ventilação, horta organica e o melhor de tudo, muito bonita e moderna.
Parabéns ao colega anônimo que fez esse projeto! Está no caminho certo e nós vamos seguindo juntos.

terça-feira, 14 de abril de 2009

materiais sustentáveis


Design da terra
A mistura é simples: 95% de terra e 5% de cimento. Vem daí o nome do tijolo de solo-cimento, que ganhou destaque com a maior procura por materiais ecológicos, embora usado no Brasil há décadas
Sua fabricação não envolve queima de energia (ao contrário do tijolo cerâmico comum), já que as peças são compactadas a frio numa prensa que garante prumos perfeitos. O desenho inteligente, com pequenos encaixes e furos centralizados, permite assentá-las com o mínimo de argamassa e embutir a tubulação hidráulica e elétrica, gerando menos entulho. Além disso, contribui para o desempenho térmico das paredes, porque os vãos formam uma barreira natural ao calor ou frio intensos. Outra vantagem do bom design reflete no tempo e no custo da construção: na ponta do lápis, até 30% de economia. É mais fácil e rápido construir com o solo-cimento e isso reduz as despesas com mão-de-obra, que não precisa ser especializada, e com argamassa,o único problema é onde encontrar. No Brasil a cultura sustentavél ainda anda pouco difundida, os materiais não são encontrados com facilidade, especialmente no nordeste, o que dificulta a indicação. As construtoras e empreiteiras ainda não assimilaram as mudanças que precisam ser feitas no modo de construção.
Vocês me perguntam o que falta? simples, consciencia. Existem materiais diversos como por exemplo telhas confeccionadas com residuos industriais do aluminio que possuem excelente qualidade termica. Aquecedores solares com placas de garrafas plásticas, etc.
Falta pensar mais em sustentabilidade e praticidade e não apenas em estetica. Existe alguma explicaçao para desperdicio de ágia da chuva? Por que não canalizar para um reservatorio em todas as casas e predios construidos?
Edificações com o maximo de aproveitamanto de luz solar e o perfeito posicionamento em relaçao a locação da casa para promover melhor sensação térmica, evitando assim o uso de aparelhos de ar condicionado.
Soluções existem, so é necessario dedicar algum tempo a esse propósito. Então vamos pensar no futuro!

Design de interiores, decoração ou arquitetura?

Design de interiores
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O design de interiores, confundido por vezes com decoração de interiores, é uma técnica cenográfica, visual e arquitetônica de composição e decoração de ambientes internos (cômodos, casas, residências, escritórios, palácios etc.).

Consiste na arte e prática de planejar e arranjar espaços, escolhendo e/ou combinando os diversos elementos de um ambiente estabelecendo relações estéticas e funcionais que dependam do fim a que este se destina.

O (Tecnólogo) >>> o termo tecnólogo só deve ser aplicado a quem faz os cursos técnicos de 6 meses a 2 anos, para que os que se formaram em Universidades federais ou particulares não é correto o uso deste termo...o profissional formado em Design de Interiores chama-se Designer de Interiores, projeta ambientes, utilizando e combinando cores, materiais, texturas e dispondo móveis e acessórios. Ele estuda em detalhes da área a ser criada ou reformulada, monta o orçamento e o cronograma da obra, desenha mobiliários e elementos que vão compor esse espaço, a disposição dos móveis, escolhe os adornos e revestimentos de pisos, paredes e tetos, sempre atento ao desejo do cliente, à estética e a funcionalidade do local. Pode projetar também salas comerciais, residências ou espaços em bancos, escritórios, consultórios e lojas. Esse profissional costuma trabalhar como autônomo, mas pode atuar, também, como funcionário de empresas especializadas em decoração e design de interiores ou ainda como consultor em lojas de móveis.

SUSTENTABILIDADE. VOCÊ SABE O QUE SIGNIFICA???

A expressão da moda é: sustentabilidade. Mas o que quer dizer esta palavra que estampa capas de revista, páginas da internet e noticiários? Os planos do governo, os discursos da ONU e até as empresas a têm como meta, mas qual o seu peso? Como ela funciona na prática? Por que esta urgência repentina em correr atrás de algo que sequer ouvíamos falar?

Sustentável é todo processo que tem a qualidade de continuidade e preservação. Trocando em miúdos, é toda atividade humana que não extingue os recursos de seu ambiente, dando-lhe tempo e condições para que se renove, seja isto por meio natural ou também por ação humana. Sim, o homem pode alterar, estimular ou mesmo criar fontes de recursos e energia em seu ambiente – a exemplo das represas hidrelétricas e dos reflorestamentos das madeireiras. A sustentabilidade, porém, não é só o monstro a ser domado pelos governantes e empresas das grandes nações poluidoras. Ela também freqüenta nossas casas e nos empurra para dentro deste processo. Afinal, além da comoção passageira com aquela foto-clichê de árvores serradas na Amazônia, a preocupação com o ambiente tem outras escalas, indo do seu quarto ao seu planeta, dos madeireiros ilegais à conservação do asfalto de nossa cidade, ao playground do seu condomínio, à sua conta de luz e à própria cadeira onde você está.

Os dados ambientais publicados na imprensa são assustadores. Mas em vez de discutir as generalidades do assunto, apresentarei apenas sugestões e questões que tocam a Arquitetura, para mostrar que com ela é possível reverter este quadro ou, ao menos, não agravá-lo – o que já é de bom tamanho. E também para descobrirmos que somos mais importantes neste processo do que imaginamos.

A Arquitetura é uma atividade que já implica de imediato no que há de mais simples e nobre na sustentabilidade: o planejamento. Aplicado desde a escolha do local da obra, no Projeto Arquitetônico e na própria construção, o planejamento pode carregar a sustentabilidade sem atrapalhar em nada a realização e o conceito de seu Projeto. A sustentabilidade pode, inclusive, trazer uma nova visão sobre a Arquitetura. Analisemos a princípio o Projeto de uma casa. Antes dele, a escolha do lote é o primeiro diferencial: sua posição definirá a distribuição dos ambientes quanto à insolação. Se o fundo de seu lote está voltado para o sul, por exemplo, os quartos voltados para ele – que terá uma provável área de lazer – serão pouco ensolarados, isto é, menor retenção de calor e iluminação, menor exploração do bem-estar e maior conta de luz. Assim como a posição, a localização do lote também conta: as Áreas Verdes próximas, por exemplo, são motivo de atenção. Nossas leis municipais exigem sua presença nos loteamentos, fechados ou não, porém isto não se traduz em matagais em áreas de sobra. Tais Áreas podem ser plenamente utilizadas pelos moradores para o lazer, cultura e esportes. A vegetação, aliás, deve ultrapassar as Áreas Verdes exigidas, através da arborização das vias, das próprias residências e da não-pavimentação de superfícies que permitirem isto. Todo este conjunto criará, com um mínimo de investimentos, resultados tão simples quanto importantes: mais qualidade de vida, maior preservação do meio-ambiente, total funcionalidade e o efeito de microclima, tantas vezes deixado de lado, mas vital. Ele traz aquele bem-estar ímpar tal qual o sentido ao percorrer uma rua repleta de árvores. As grandes metrópoles, já sem alternativas, apelam para a construção por inteiro destes ambientes, numa guerra de folders imobiliários onde condomínios verticais e horizontais são recheados de Áreas Verdes. Nós ainda temos a opção de não chegar lá, exigindo um crescimento urbano saudável.

Já no Projeto, a sustentabilidade pode ter vários papéis. As portas e janelas, por exemplo, podem ser planejadas para aproveitar a iluminação e a ventilação naturais ao máximo, através de sua localização sobre áreas de trabalho (bancadas de cozinha, áreas de estudo, livings etc.), em paredes opostas permitindo ventilações cruzadas ou voltadas para o melhor momento de insolação que o ambiente necessita. Esta atenção diminuirá o uso de iluminação e condicionamento de ar artificiais e, assim, seu bolso e nossas fontes de energia agradecerão: atualmente o homem extrai a energia do planeta num ritmo 25% acima de sua capacidade de renovação, ritmo ainda crescente. Outra sugestão de Projeto de extrema importância é o tratamento adequado dado às águas da chuva. Antes que alguém amaldiçoe o descaso à qualidade de nossas ruas, às galerias pluviais e ao planejamento, trarei à tona nossa responsabilidade – pois parte dos problemas que as chuvas e inundações causam, dos quais reclamamos, é de autoria dos cidadãos. A Arquitetura não dá conta do combate ao abominável hábito de jogar lixo pela janela dos carros ou nos terrenos, mas pode oferecer soluções extremamente úteis, tendo a maioria delas um propósito comum: cada lote dar um fim responsável à quantidade de água das chuvas que recebe. Hoje, a maior parte desta água é jogada rapidamente à coleta urbana ou diretamente às ruas, juntando-se à água que vem de outros lotes, de outros quarteirões e de outros bairros, numa soma venenosa que transforma muitas de nossas vias em verdadeiras calhas urbanas. Porém, há idéias simples que quebram este ciclo. Já acessível, ainda que a certo custo, podemos citar o armazenamento e tratamento particular da água das chuvas para seu reaproveitamento com vários fins: vasos sanitários, torneiras de jardins, quintais e estacionamentos. Em empresas e indústrias, incluímos aí lavagens, resfriamento, irrigação, consumo de animais, reservas de incêndio etc. Ainda a certo custo, pode-se até localizar no Projeto uma estação de pré-tratamento de esgoto – que não traz retorno direto ao dono, mas trará à cidade. E para quem fez cara feia ao ler “investimentos”, há meios mais simples que não reaproveitam a água mas têm os mesmos resultados na preservação do nosso ambiente-cidade ante o caos das enxurradas. O combate ao velho costume da impermeabilização imprudente é um deles. É uma lógica simples, onde não se pavimenta nem se reveste o solo, dando a ele a capacidade e o tempo necessário para absorver a maior parte possível da água das chuvas. Na prática, sua aplicação é através da previsão de áreas permeáveis (jardins, por exemplo) ou, quando necessário, cisternas que maximizam o tempo de absorção da água pelo solo e reduzem a quantidade de água dispensada. Atitudes simples e eficazes que, se a maior parte da cidade a adotasse, teríamos carnavais com melhores lembranças.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

segunda-feira, 2 de março de 2009

QUARTO DE VESTIR DO SENADOR - MORAR MAIS 2008


PROJETO E EXECUÇÃO.
O PROJETO MAIS PROXIMO DO RESULTADO FINAL

ESTUDO DE FACHADA


O GRANDE DESAFIO É CRIAR UMA CASA EM UM TERRENO MEDINDO 3,50X20M.
ESSE FOI O PRIMEIRO ESTUDO. BREVE POSTAREI O PROJETO FINAL.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

BANGALÔ DO CASEIRO

OS FUNCIONÁRIOS QUE CUIDAM DO SEU PATRIMÔNIO MERECEM UM PROJETO ESPECIAL...


PROJETO...PIER